Para que serve a lubrificação? - Belton Pneumática | Blog

Para que serve a lubrificação?


A lubrificação dos equipamentos pneumáticos é importante para evitar o desgaste dos componentes móveis promovido pelo atrito entre os elementos de vedação móveis e as partes metálicas que as envolvem ou que se encontra em seu interior.

Como é realizada a lubrificação?

A lubrificação se dá com o uso do Lubrificador normalmente montado no CPA – Conjunto de Preparação de Ar, após o Filtro Regulador de Pressão. É um componente que libera de acordo com o fluxo de ar que passa pelo seu interior uma determinada quantidade de óleo.

Em não havendo fluxo de ar em seu interior o Lubrificador não libera o óleo lubrificante.

Identificando os componentes do Lubrificador.

  • 01 – Cúpula Visora
  • 02 – Bengala Gotejamento
  • 03 – Controle Gotejamento
  • 04 – Diafragma “Venturi”
  • 05 – Corpo
  • 06 – Retenção
  • 07 – Tubo Pescador
  • 08 – Copo

Como funciona o Lubrificador?

Para entendermos bem o funcionamento do lubrificador, quando você toma um refrigerante de canudinho; como que o refrigerante vai até a sua boca?

Primeiro lembre-se que todos nós estamos envolvidos pela pressão atmosférica, que varia conforme a altitude e que toda e qualquer pressão age perpendicularmente sobre toda e qualquer superfície. 

O refrigerante no copo esta sob a ação da pressão atmosférica permanece nesta condição.

Quando o canudo é colocado na boca e promovemos o ato se sugar, geramos dentro da cacidade bucal uma pressão menor. Como o refrigerante continua sob pressão atmosférica, esta empurra o refrigerante através do canudinho até o interior da boca.

Primeiro vamos abastecer o Lubrificador. Para esta operação lembre-se que o mesmo deverá estar SEM PRESÃO para que a remoção do copo possa ser realizada com segurança. 

Com o lubrificador sem pressão gire o copo no sentido anti-horário. Caso sua mão esteja escorregando sobre a superfície do copo utilize um pano ou uma lixa fina somente para evitar que a mão escorregue. Não use ferramentas para soltar o copo.

Após soltar o copo desloque-o para fora do corpo do lubrificador. Fique atento ao anel de vedação que pode sair junto com o copo ou pode ficar retida no interior do corpo do lubrificador.

Abasteça com óleo adequado e deixe o nível sempre uns 15 mm abaixo da boca do copo.

Óleo recomendado: qualquer marca que atenda a especificação ISO VG 32. Ainda muito utilizado e conhecido como óleo pneumático, por ser bem “fino” são os ISO VG 10.

Com o copo abastecido, recoloque-o no corpo realizando a operação inversa e certifique-se sempre que o anel de vedação encontra-se no lugar correto.

Aperte o copo somente o necessário. A perceber que o copo entrou em contato com a anel de vedação, promova somente mais um quarto de volta ou menos.

No lubrificador vamos ter a mesma situação que quando tomamos refrigerante com canudinho. Temos o copo abastecido com óleo, no interior do copo o tubo pescador ou condutor.

Ao pressurizar o lubrificador todas as áreas internas ficam com a mesma pressão e em equilíbrio. A pressão que age sobre a superfície do óleo é como a pressão atmosférica agindo sobre a superfície do refrigerante.

Ao haver consumo de ar comprimido pelo circuito pneumático a pressão sobre o óleo permanece mas no interior da cúpula visor esta pressão será menor. 

Efeito Venturi 

O efeito Venturi é explicado pelo Princípio de Bernoulli e o princípio de continuidade de massa. Se o caudal de um fluido é constante, mas a seção diminui, necessariamente a velocidade aumenta após atravessar esta seção. Pelo teorema da conservação da energia se a energia cinética aumenta, a energia determinada pelo valor da pressão diminui obrigatoriamente. Este efeito, demonstrado em 1797, recebe seu nome do físico italiano Giovanni Battista Venturi (17461822).

O componente 04 – Diafragma “Venturi” tem a função de deixar passar pela lateral a maior parte do fluxo de ar comprimido e em seu centro é que ocorre o efeito Venturi. Como no centro a pressão neste ponto fica menor e o interior da cúpula visora (boca) esta ligado com o centro do Diafragma “Venturi” ocorre o diferencial de pressão e o óleo será empurrado através do tubo pescador. 

Este óleo passa pelo controle de gotejamento e no interior da cúpula visora visualizaremos a quantidade de óleo lubrificante, em gotas, que estará sendo liberado para efetuar a lubrificação dos equipamentos pneumáticos.

Esta gota de óleo lubrificante ao entrar em contato com o fluxo de ar que passa pelo centro do Diafragma “Venturi” e pulverizada por este fluxo e é transformada em aerossol, permitindo assim que aquele volume de óleo seja facilmente transportado até os pontos que requerem lubrificação.

Sempre que o fluxo de ar cessar, automaticamente o lubrificador também deixa de liberar óleo lubrificante.

O controle de gotejamento deverá ser realizado conforme a velocidade de operação determinada pelo operador do equipamento

 ou pela ciclagem do circuito pneumático. A quantidade de gotas varia de aplicação para aplicação, mas poderíamos considerar um valor “prático” que vem sendo utilizado ao longo de muitos anos de 1 gota a cada 10 ciclos, aproximadamente.

Em havendo excesso de lubrificação os escapes das válvulas direcionais apresentaram indícios. 

Quais cuidados devemos ter com o Lubrificador? 

Quando no fundo do copo do lubrificador aparecer uma borra branca, amarelada e em alguns casos mais escura, isso nos indica que há excesso de contaminantes líquidos provenientes do sistema de compressão. Na grande maioria das vezes água.

Neste caso esta contaminação deverá ser eliminada. Remover o copo e o óleo contaminado. Promover a limpeza do interior do copo somente com água e sabão neutro e recolocar o óleo limpo.

Externamente manter limpos os elementos transparentes. Utilizar somente água e sabão neutro para isso e evite o uso de estopas, pois soltam fiapos que podem comprometer o funcionamento do lubrificador e se forem empurrados pelo fluxo de ar acabar comprometendo outros equipamentos.

Não misture óleos de marcas diferentes. Cada fabricante agrega ao seu produto uma série de elementos químicos para atingir determinados objetivos na lubrificação. Muitas vezes estes ao se misturarem podem gerar um terceiro composto que não seja compatível pelas vedações e outros componentes. Use somente óleos minerais que atendam a norma citada anteriormente.

Deixar de lubrificar pode causar algum problema?

Sim. Quando os equipamentos são desenvolvidos para serem lubrificados, esta não pode faltar. Há necessidade de ser mantida permanente para evitar desgaste prematuro e ou travamento dos componentes móveis. A lubrificação na quantidade adequada e a garantia de uma vida prolongada para os equipamentos pneumáticos.

Todos os ambientes podem trabalhar com equipamentos lubrificados?

Não. Muitos processos não podem ter o seu ambiente contaminado, uma vez que todo circuito pneumático é um circuito aberto, ou seja, toda a lubrificação que é realizada também é devolvida para o meio ambiente após realizado o trabalho.

Atualmente já se encontra disponível no mercado, produtos isentos de lubrificação, mas não é somente eliminar a lubrificação, há necessidade de uma série de outros cuidados. Isso será o assunto em uma próxima oportunidade.